Entre os principais artigos contidos no Regimento Interno da Câmara de Vereadores de Santarém, um é imprescindível ao exercício do mandato parlamentar: os vereadores são invioláveis por suas opiniões, palavras e votos. O Poder Legislativo é uma instituição independente e responsável pela fiscalização das ações do chefe do Executivo Municipal. Portanto, é responsabilidade dos vereadores, o dever de fiscalizar a administração pública, cuidando da aplicação dos recursos e observando o orçamento. O papel do vereador é o de acompanhar o Poder Executivo, sobretudo em relação ao cumprimento das leis e da boa aplicação e gestão do dinheiro público.

Foi exercendo sua função para qual foi eleito, que o vereador Valdir Matias Jr. (PV) usou a tribuna da Câmara, durante a sessão desta segunda-feira (19), para afirmar que não vai se calar diante de ameaças, retaliações, perseguição política e ataques covardes nas redes sociais, de pessoas patrocinadas por grupos ligados à gestão municipal.

Matias Jr. lembrou do seu pronunciamento na terça-feira passada direcionado à administração do prefeito Nélio Aguiar. O líder do PV usou a tribuna da Casa para opinar sobre um projeto de lei de autoria do chefe do Executivo que trata da possibilidade de terceirizar os serviços do Hospital Municipal e da Unidade de Pronto Atendimento 24 Horas. Matias Jr. contestou os motivos, sugerindo que o tema fosse amplamente debatido pelos vereadores para que o Poder Legislativo avalie de forma imparcial, a proposta apresentada pelo Prefeito do Município. Matias Jr. também apresentou números sobre recursos arrecadados pela Prefeitura coletados no Portal da Transparência e criticou o governo atual, responsabilizando-o pela situação da saúde pública em Santarém nestes quase seis meses da administração de Nélio Aguiar.

Este pronunciamento não foi bem recebido pelo prefeito Nélio Aguiar que um dia depois mandou exonerar servidores ligados ao parlamentar que trabalhavam na Prefeitura. Para ele, foi uma maneira de retaliação do prefeito ao seu posicionamento contrário aos interesses do governo. Além da demissão desses servidores, Valdir Matias Jr. também foi alvo de ataques covardes nas redes sociais e em blogs ligados e patrocinados pelo prefeito da cidade.

“Não vou me calar diante das retaliações que sofri e nem de ataques covardes. Vou continuar exercendo meu papel como vereador que é fiscalizar as ações do Poder Executivo, mesmo sofrendo perseguições e calúnias”, afirmou Valdir Matias Jr.

Durante a sessão de hoje (19), o líder do PV voltou a afirmar que espera que a Câmara de Vereadores promova uma discussão de esclarecimento sobre o projeto de lei do Executivo sobre a possibilidade de terceirizar alguns serviços de saúde pública do município.

Sobre seu pronunciamento de que o setor da saúde está um caos, Valdir também ratificou suas palavras: a saúde está pior nestes últimos meses. “No PSM, o número de óbitos é altíssimo. Recentemente, uma jovem paciente de 16 anos, que estava grávida, morreu após contrair infecção hospitalar. A acompanhante dela também foi infectada. A saúde está um caos em vários aspectos. Faltam medicamentos, limpeza no PSM, alimento para funcionários e pacientes. Eu vou continuar exercendo o meu papel como vereador, fiscalizando as ações do governo. Quando for preciso elogiar, o farei da mesma forma. Mas quando for preciso cobrar e exigir transparência da coisa pública, vou cobrar, mesmo sob o risco de sofrer reataliação e ataques covardes”, finalizou o parlamentar.