Associados de duas instituições que defendem os direitos das pessoas portadoras de deficiência física de Santarém, que auxiliam o trabalho da Polícia Militar no sistema de vigilância de ruas por meio de câmeras instaladas em pontos estratégicos da cidade, através da central do Núcleo Integrado de Operações (NIOP) serão dispensados deste serviço a partir do dia 30 de dezembro deste ano. Atualmente, 16 pessoas atuam neste serviço de monitoramento no município.

Esta semana, esses trabalhadores foram comunicados pela Secretaria de Governo da Prefeitura de Santarém, que esse serviço feito por eles será encerrado no fim do ano. Representantes da Associação dos Deficientes Físicos de Santarém (Adefis) e da Associação dos Portadores de Deficiência do Tapajós (AAPDT), que têm seus associados integrados no quadro do NIOP estão preocupados com a dispensa desses profissionais que passaram por treinamento específico para operar esses equipamentos e hoje desempenham um papel muito importante, auxiliando no planejamento estratégico de segurança pública.

Essas pessoas recebem em média R$ 1.200 e, partir do dia 30 de dezembro, não vão mais poder contar com este salário que ajuda no sustento de suas famílias.

Esse assunto pautou o pronunciamento do vereador Valdir Matias Jr. (PV), na sessão desta quarta-feira (22), na Câmara de Santarém. Ele lamenta o fato de o convênio entre a Prefeitura e a Secretaria de Estado de Segurança Pública e Defesa Social (Segup) não ser renovado, pois, além de garantir o trabalho para 16 pais de família, representa também um papel social muito importante com a inclusão de pessoas portadoras de deficiências físicas em atividades profissionais de grande valor para a sociedade.

O líder do PV repudiou o fim do convênio e pediu, da tribuna da Casa, que o prefeito Nélio Aguiar reavalie essa decisão, já que trata-se de um serviço fundamental para as ações de segurança pública de Santarém que têm resultados satisfatórios e o reconhecimento da sociedade.