O vereador Valdir Matias Jr. (PV), apresentou na tarde desta segunda-feira (18), à Mesa Diretora da Câmara Municipal de Santarém, um pedindo informações da Secretaria Municipal de Meio Ambiente (Semma), sobre o licenciamento das torres e antenas de telefonia móvel e internet instaladas no município. O parlamentar pede esclarecimentos sobre os critérios definidos para a instalação desses equipamentos, sobretudo nas áreas habitadas por moradores.

Para o líder do PV, é necessário que a Semma informe sobre o procedimento de autorização para a implantação dessa aparelhagem para evitar riscos à população e assim, prevenir também futuros acidentes.

Matias Jr. lembrou do episódio ocorrido no último dia 10, na travessa Luíz Barbosa, no bairro Caranazal, em Santarém, quando uma torre de um provedor de internet caiu sobre o telhado de uma residência durante uma forte ventania.

“Felizmente houve apenas danos materiais. Mas, além desses danos e do susto, ficou também a preocupação dos vizinhos e de moradores de outros bairros onde existem torres e antenas de telefonia móvel e internet. Os riscos são grandes. É preciso que a Semma preste os devidos esclarecimentos sobre como é feito o licenciamento, se as empresas responsáveis seguem os critérios estabelecidos, se há fiscalização, manutenção e vistoria nesses equipamentos, pois a região, principalmente nos meses de setembro e outubro quando se registram fortes ventanias na cidade”, disse o vereador Valdir Matias Jr.


Valdir destacou ainda, com informações publicadas no jornal O Impacto, que outras torres instaladas em vários pontos de Santarém também preocupam comerciantes e moradores, principalmente em relação à operacionalidade. Segundo o semanário, além de telefonia fixa e móvel, as torres instaladas na cidade são utilizadas para a rede do sistema de internet. O jornal reforça a preocupação também com a chegada das chuvas e de ventos muito fortes. Os moradores dessas áreas temem por suas vidas e pedem ajuda das autoridades. "Até na Praça de São Sebastião uma torre da empresa de telefonia Vivo foi instalada com autorização não se sabe de quem, causando medo nos fiéis que frequentam a Igreja de São Sebastião, bem como nos moradores da área e nas pessoas que utilizam aquele espaço público para caminhadas e lazer", informa o semanário.