Inaugurado em junho de 2015, durante o governo do prefeito Alexandre Von, com a proposta de fortalecimento da cultura e do turismo em Santarém e região, o Cristo Rei – Centro de Artesanato do Tapajós, aos poucos vai perdendo sua identidade. O espaço foi criado para abrigar artesãos santarenos, de Belterra e da região oeste do Pará para a exposição do artesanato regional, além de fomentar novos negócios, gerar emprego e renda. No início, cerca de 600 profissionais, divididos nas 12 lojas, comercializavam seus produtos artesanais. Hoje, a realidade é outra. Por ordem da Prefeitura de Santarém, por meio da Secretaria Municipal de Turismo (Semtur), os artesãos foram informados que devem deixar o espaço imediatamente. A ordem se baseia num edital de chamamento público de número 01/2020, que prevê o processo de seleção de interessados em ocupar o espaço público para a exposição, venda e comercialização do artesanato da produção artesanal, exposição e venda de plantas naturais e venda de lanches e refeições.

A notícia pegou de surpresa os artesãos que atualmente trabalham no Cristo Rei. Segundo eles, não houve uma reunião prévia para informá-los sobre a confecção deste edital de seleção e nem uma orientação sobre como seria a participação desses trabalhadores que estão no local desde o início de sua inauguração.

De acordo com a categoria, a atual gestão deixou de valorizar o trabalho dos artesãos. Por exemplo, não há mais eventos voltados para a exposição dos produtos feitos por eles, como a Semana do Artesão, a Feira do Artesanato e o Bazar Natalino. A falta de estímulo e valorização dos artesãos é tamanha que no Cristo Rei é possível encontrar produtos regionais de outros estados, trazidos por atravessadores.

Na manhã desta terça-feira (7), o vereador Valdir Matias Jr. (PV), recebeu um grupo de artesãos solicitando apoio para tentar reverter a decisão tomada pela Semtur. Os artesãos Rose Costa, Jonhson Pantoja dos Santos e Laurilene Pedroso Pinheiro detalharam ao parlamentar os principais pontos do edital e a forma como estão sendo tratados pela atual gestão do Centro e também da Prefeitura, via Secretaria de Turismo. Eles também pediram ajuda jurídica do gabinete do vereador para embargar o edital, para que pelo menos os artesãos possam se preparar para também participarem do certame de forma justa.

Segundo eles, a proposta feita aos artesãos é para que eles se juntem com os atravessadores para expor seus produtos no Terminal Fluvial Turístico (TFT).

Do certame podem concorrer as vagas, entidades, institutos, federações, associações, cooperativas, sociedades, fundações legalmente constituídas. No artigo que dispõe das condições de participação não especifica se essas instituições devam estar relacionadas à produção artesanal. Apenas nas vagas rotativas há condições direcionadas para a categoria. O edital será lançado na próxima sexta-feira (10).

Na ocasião, os artesãos demonstraram preocupação com os trabalhadores do Terminal Fluvial Turístico, na orla de Santarém, que hoje está servindo apenas para exposição de produtos de outros estados e de fora do país, inclusive produtos da China.

O vereador Valdir Matias Jr., que foi secretário de Desenvolvimento e Turismo, e um dos responsáveis pela efetivação do Cristo Rei, se colocou à disposição dos artesãos e informou que está acompanhando de perto esse caso para ajudar esses profissionais.